Vulcão Dedetizadora e Desentupidora
Telefones: (13) 3271-7426 / (13) 3016-9244 / (13) 3025.5126 / (13) 95539-9364
Whatsapp (13) 99742-1329

As cidades dos roedores

HomeNotíciasAs cidades dos roedores

Matéria do Jornal Bom Dia São Paulo, relata a invasão oculta dos ratos na cidade de São Paulo.
Em especial nos pontos mais conhecidos, mostrando claramente que indiferente dos locais, classe social estes roedores estão por toda parte.
Segundo o biólogo Randy Baldresca, no meio urbano eles não têm predadores que existem na natureza, como cobras e aves de rapina. Por isso, acabam se multiplicando.
“A gente pode calcular aí mais de cinco, seis e até oito indivíduos por habitante. Então, a gente costuma dizer que a cidade não é nossa, a cidade é dos roedores”, diz Baldresca

Existem alguns fatores que auxiliam nesta infestação e podemos pontuar alguns deles.

  • Limpeza
  • Não existencia de predadores
  • Alto índice de proliferação

Os ratos não possuem uma boa visão, mas em contrata partida tem um ótimo faro capaz de localizar a existencia de alimento
por até 100 metros de distância, não possuem muito receio a presença dos humanos, fazendo com que este encontre não seja
raro e tão pouco prazeroso por nossa parte. Tem se tornado muito comum avistar ratos se alimentando no meio da cidade principalmente a noite.
A falta de cuidado com o descarte de alimentos, manipulação e locação.
Colaboram com a ploriferação destes roedores.

Os ratos urbanos são:

  1. Rato-de-telhado
  2. Camundongo
  3. Ratazana

A ratazana foi justamente a mais vista, vivendo em média 2 anos, atinge sua maturidade sexual com 2 meses e pode gerar de cinco a doze filhotes por gestação.
É estimado que um casal de ratazanas possa gerar 240 filhotes ao ano.

Os preadores naturais das ratazanas seriam as cobras e águias animais que não são encontrados em grandes centros urbanos.
A principal doença destes roedores é a leptospirose oriunda através de sua urina e pulgas, em 2017 já foram constatados mais de cem casos sendo que onze fatais.

Em New York está sendo estudado a utilização de gelo seco para combater esta praga.
Já em Londres o principal método de combate é a conscientização da população.

Esta é uma realidade global estes casos estão em São Paulo, New York, Londres, Santos, São Vicente e etc…
Vamos combater juntos!

Fonte: G1